Playlist #15 – Alexandre A. R. Costa Outubro 5, 2017 – Posted in: Eventos, Playlist

PLAYLIST #15 – ALEXANDRE A. R. COSTA

 

AN IRREPARABLE ERROR HAS OCCURRED

2017

 

A CONFIANÇA NUM SISTEMA, DIGITAL, VIRTUAL, MAS QUE INFLUENCIA DETERMINANTEMENTE A REALIDADE, É UMA DAS BASES FUNDAMENTAIS DO QUOTIDIANO CONTEMPORÂNEO OCIDENTAL. NA REALIDADE, O SENTIMENTO DE QUE NOS SERVIMOS DESSE SISTEMA, DE QUE O CONTROLAMOS, É TÃO FRÁGIL COMO O PRÓPRIO SISTEMA. O ERRO SURGE QUANDO MENOS O ESPERAMOS, O IMPREVISTO ABALA OS ALICERCES QUE JULGAMOS CONSISTENTES, ESTÁVEIS, EM QUE NOS APOIAMOS PARA CONSTRUIR UM CAMINHO. INFLUÊNCIAS EXTERNAS PARA LÁ DO NOSSO ENTENDIMENTO, DA NOSSA CAPACIDADE DE CONTROLO, INTERROMPEM, NUM REPENTE, A LINHA CONDUTORA E ESTABILIZADORA DE UM PROCESSO, CAMINHO OU ESTRUTURA.  

HÁ UMA IRREVERSIBILIDADE NO PROCESSO QUE ORGANIZA O SISTEMA E QUE VATICINA UMA IMPOSSIBILIDADE DE RETORNO. O SEGUIR EM FRENTE, MAS CONDICIONADO POR ESSE ERRO, OBRIGA À AVALIAÇÃO DAS SUAS CONSEQUÊNCIAS, NUM RECURSO À ENTROPIA COM O INTUITO DE O ISOLAR E AVALIAR, PARA PODER DEPOIS DAR-LHE UM NOVO SENTIDO PELA SUA INTEGRAÇÃO NUM SISTEMA RENOVADO.

ESTE PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E APROPRIAÇÃO DO ERRO É A BASE FUNDADORA DESTE TRABALHO DE ALEXANDRE A. R. COSTA, AN IRREPARABLE ERROR OCCURRED IN THE SYSTEM. A IMPOSSIBILIDADE DE RESOLUÇÃO DE UMA SITUAÇÃO AFECTIVA, O RECONHECIMENTO DE UM CAMINHO APARENTEMENTE INCONTORNÁVEL QUE PRECISA, NO ENTANTO, DE SER EVITADO, CONSTITUI-SE COMO O ERRO BASILAR DE TODO O TRABALHO.

O ARTISTA PROSSEGUE ENTÃO PARA UM REGISTO DO QUOTIDIANO, ONDE UMA PANÓPLIA DE IMAGENS CAPTADAS POR TELEMÓVEL E PUBLICADAS EM INSTAGRAM E FACEBOOK VAI SENDO “ORGANIZADA” PELA ATRIBUIÇÃO DE UM NOVO SISTEMA, DESTA FEITA, NUMÉRICO. HÁ ASSIM UM REGISTO, UMA FIXAÇÃO ALEATÓRIA DO VISTO, DO EXPERIENCIADO, AO QUAL É ACRESCENTADA UMA MARCA, A TABELA, NUMA ORDENAÇÃO ARTIFICIAL QUE SE PRETENDE DÊ NOVO CORPO AO IRREVERSIVELMENTE DESMEMBRADO. UMA NOVA ORDEM A UM CAOS, TAMBÉM ELE, SEMPRE EM EVOLUÇÃO.

NUM PROCESSO ESSENCIALMENTE INTUITIVO, A REPETIÇÃO É COMO QUE UMA CATALOGAÇÃO DO ERRO – O VÊ-LO NUMA INFINIDADE DE IMAGENS, QUE SE ESPERA ADQUIRAM UMA UNIDADE POR MEIO DESSA REPETIÇÃO. COMO SE EM TODOS OS MOMENTOS, EM TUDO O QUE VISUALIZAMOS, EM CADA PORMENOR, FOSSE POSSÍVEL ENCONTRAR O ERRO NO SISTEMA E “CURÁ-LO” POR UMA POSSIBILIDADE DE ESTRUTURAÇÃO. UM ESQUEMA SUBJECTIVO, INTUITIVO, SUBCONSCIENTE, PORQUE SEM OUTRA RACIONALIDADE À PARTIDA QUE NÃO A DE LIDAR COM O IMPREVISTO E A QUEBRA DE UM SISTEMA INTERNO DE EXPECTATIVAS COMO ESTRATÉGIA DE SOBREVIVÊNCIA.

UM WORK IN PROGRESS QUE ALEXANDRE COSTA FAZ AQUI EVOLUIR PARA UM NOVO ESTÁDIO: O DA EDIÇÃO DESSAS IMAGENS EM VÍDEO; A CRIAÇÃO DE UMA NOVA UNIDADE, PORTANTO, MAS NÃO SEM QUE A SUA DISPERSÃO E DIVERSIDADE DEIXEM DE SUBLINHAR A ALEATORIEDADE INTRÍNSECA AO PROCESSO E AOS ELEMENTOS TRANSITÓRIOS DA VIDA. UMA PROCURA CONSTANTE E POTENCIALMENTE INTERMINÁVEL, A NÃO SER PELA REORGANIZAÇÃO MATERIAL SUPREMA: O FIM DESSA VIDA.

ESTAMOS, ENFIM, PERANTE UM EXERCÍCIO DE APROPRIAÇÃO DO EXTERNO PARA COMPREENDER E RESOLVER O IMPONDERÁVEL, MAS INEVITÁVEL E IRREVERSÍVEL: O ERRO INTERNO IRREPARÁVEL.

 

GISELA LEAL

OUTUBRO 2017

BIO

ALEXANDRE A.R. COSTA NASCEU EM BRAGA, EM 1973. ARTISTA PLÁSTICO, CURADOR, MÚSICO E ATIVISTA CULTURAL, DEFENDE UMA VISÃO ABERTA, DE EQUILÍBRIO DINÂMICO E COMPLEXA PARA OS SISTEMAS DE PRODUÇÃO ARTÍSTICA. PARTICIPOU EM EXPOSIÇÕES COM ARTISTAS DE PERCURSOS RECONHECIDOS INTERNACIONALMENTE (P. EX., JAVIER TUTELA, TIM ETCHELLS, EDMUND FRANCIS, MARTIN CREED OU TRACEY EMIN) ENTRE OUTROS A CAMINHO DE OS TORNAR SÓLIDOS. O SEU TRABALHO FOI APRESENTADO, EM FRANKFURT, BERLIM (ALEMANHA), SÈTE, PARIS (FRANÇA), PORTO, LISBOA (PORTUGAL), LONDRES, DURHAM (INGLATERRA), MADRID, PONTEVEDRA (ESPANHA), SÃO PAULO (BRASIL), N.Y., MADISSON/WASHINGTON D.C. (ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA), QUEBÉC CITY, MONTRÉAL (CANADÁ), VILNIUS (LITUÂNIA), ENTRE OUTROS LOCAIS – PROJETOS ONDE EXPLOROU A ESCULTURA, A INSTALAÇÃO, O DESENHO, A FOTOGRAFIA, O VÍDEO, A PERFORMANCE, A ARTE INTERMÉDIA, PROJETOS COLABORATIVOS OU AINDA A CURADORIA ENTRE OUTRAS LINGUAGENS E MODOS DE FAZER ARTÍSTICOS. CONTAM-SE ATÉ AO MOMENTO MAIS DE SESSENTA EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS, MAIS DE SESSENTA E CINCO PROJETOS PERFORMATIVOS, E MAIS DE QUARENTA PROJETOS DE CURADORIA. DE 2003 AO PRESENTE, É ARTISTA RESIDENTE DA GALERIA SERPENTE – ARTE CONTEMPORÂNEA (RUA MIGUEL BOMBARDA, PORTO). 

COFUNDADOR E CORRESPONSÁVEL PELA DIREÇÃO/PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA DO ESPAÇO ARTES MÚLTIPLAS – IAC/PORTO (2000-2003); COFUNDADOR E CORRESPONSÁVEL PELO PROJETO PROGRAMÁTICO ARTEMOSFERAS/PORTO (2001-2003) DESENHADO PARA O ESPAÇO ARTES MÚLTIPLAS – IAC/PORTO, ONDE PARTICIPOU EM TODO O PROCESSO DE PRODUÇÃO, ENQUANTO CODIRETOR ARTÍSTICO, PROGRAMADOR E CURADOR, ASSIM COMO ARTISTA – APRESENTANDO TRABALHO INDIVIDUALMENTE E EM COLETIVO. DIRETOR DO PROJECTO I.M.A.N. – ARTE CONTEMPORÂNEA (2005-2011); COORGANIZADOR DOS ATELIERS MOMPILHER/PORTO (2011-2013). COCOMISSARIOU AINDA E.G. “TRANSTLÂNTICA X TRANSATLÂNTIDA”, EXPOSIÇÃO DE VÍDEO DE ARTISTAS PORTUGUESES, CENTRO CULTURAL SÃO PAULO/BR (2012).

INVESTIGADOR (2009-) GRUPO MODO – MODOS DE CONOCIMIENTO ARTÍSTICOFACULTAD DE BELLAS ARTES, UNIV.VIGO/ES, (TENDO SIDO COMISSÁRIO DO PROJETO “NESTE UNIVERSO:” NO CENTRO DE MEMÓRIA, MUSEU E ARQUIVO DE VILA DO CONDE) E, DOCENTE DESDE 2002 NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO E PRIVADO (UNIVERSITÁRIO E POLITÉCNICO, NA ÁREA ARTÍSTICA E AFINS) ONDE OBTEVE EM 2015 O RECONHECIMENTO DO SEU CURRICULUM PROFISSIONAL / TÍTULO DE ESPECIALISTA, EM “ARTES PLÁSTICAS” E “GESTÃO DAS ARTES”. DESENVOLVEU A SUA TESE DE DOUTORAMENTO (2008-2013) APOIADO COM UMA BOLSA DE INVESTIGAÇÃO INTERNACIONAL DA FCT-IP (FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E TECNOLOGIA). DEFESA DE TESE (A 9 DE JANEIRO DE 2016) – TÍTULO DE DOCTOR EM BELLAS ARTES COM A CLASSIFICAÇÃO DE SOBRESALIENTE CUM LAUDE. NO SEU PERCURSO ACADÉMICO PASSOU AINDA EM 2003/04, PELO CURSO DE DOCTORADO, OBTENDO EM 2005 O DIPLOMA DE ESTUDIOS AVANZADOS, UNIVERSIDADE DE VIGO (COM A DEFESA DE UMA INVESTIGAÇÃO EM TORNO DA “FLEXIBILIDADE E TRANSMUTAÇÃO DO PROJETO ARTÍSTICO CONTEMPORÂNEO”); EM 2002/03, POR UM POSTGRADUATE DIPLOMA / MASTER OF ARTS (ART EDUCATION IN SCULPTURE | SITE-SPECIFIC | NEW GENRE PUBLIC ART)SURREY-ROEHAMPTON UNIVERSITY, LONDRES; E ENTRE 1994/99, PELA LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS-ESCULTURA, UNIVERSIDADE DO PORTO.

ENG

AN IRREPARABLE ERROR HAS OCCURRED

2017

TRUST IN A SYSTEM, BE IT DIGITAL OR VIRTUAL BUT IN ANY CASE ONE THAT DETERMINANTLY INFLUENCES REALITY, IS ONE OF THE FUNDAMENTAL BASES OF THE WESTERN CONTEMPORARY EVERYDAY. IN REALITY, THE FEELING THAT WE USE THAT SYSTEM, THAT WE CONTROL IT, IS AS FRAGILE AS THE VERY SYSTEM ITSELF. THE ERROR ARRIVES WHEN WE LEAST EXPECT IT, THE UNPREDICTED SHAKES THE FOUNDATIONS WE THOUGHT CONSISTENT, STABLE, IN WHICH WE STOOD TO MAKE OUR WAY. SUDDENLY, EXTERNAL CONDITIONS WELL BEYOND OUR UNDERSTANDING, OF OUR CAPACITY TO CONTROL, INTERRUPT THE CONDUCTIVE AND STABILIZING LINE OF A PROCESS, PATH OR STRUCTURE.

THERE IS AN IRREVERSIBILITY IN THE PROCESS WHICH ORGANIZES THE SYSTEM THAT RENDERS A RETURN TO BE IMPOSSIBLE. INABILITY. THE MOVING FORWARD, ALBEIT CONDITIONED BY THE ERROR, REQUIRES AN EVALUATION OF ITS CONSEQUENCES, A RESORTING TO THE ENTROPY WITH THE INTENTION OF ISOLATING AND EVALUATING IT, IN ORDER TO BE ABLE TO GIVE IT A NEW MEANING WHICH INSERTS IT IN A RENEWED SYSTEM.

THIS PROCESS OF IDENTIFICATION AND APPROPRIATION OF THE ERROR IS THE FOUNDATION BASIS OF THIS WORK BY ALEXANDRE A. R. COSTA, ‘AN IRREPARABLE ERROR OCCURRED IN THE SYSTEM’. THE IMPOSSIBILITY TO SOLVE AN AFFECTIVE SITUATION, THE RECOGNITION OF AN APARENTLY INCONTORNABLE PATH THAT NEEDS, HOWEVER, TO BE AVOIDED, IS CONSTITUTED AS THE PRIMARY ERROR OF THIS WORK.

THE ARTIST THEN PROCEEDS WITH RECORDING THE EVERYDAY, THROUGH WHICH A PANOPLE OF PHOTOS CAPTURED BY MOBILE PHONE AND PUBLISHED IN INSTAGRAM AND FACEBOOK ACCOUNTS IS “ORGANIZED” BY THE ASSIGNMENT OF A NEW SYSTEM, THIS TIME, NUMERICAL. THEREFORE, THERE IS A REGISTRATION, A RANDOM FIXATION OF THE SEEN, OF THE EXPERIENCED, TO WHICH A MARKING – THE CHART – IS ADDED, IN AN ARTIFICIAL ORDINATION THAT IS INTENDED TO GIVE A NEW BODY TO THAT WHICH IS FOUND TO BE IRREVERSIVELY DISMEMBERED. A NEW ORDER TO A CHAOS, IN ITSELF IN PERMANENT EVOLUTION.

IN AN ESSENTIAL INTUITIVE PROCESS, REPETITION IS LIKE A CATALOG OF THE ERROR – SEEING IT IN AN INFINITY OF IMAGES WHICH ARE EXPECTED TO ACQUIRE UNITY THROUGH THAT VERY SAME REPETITION. AS IF AT ALL MOMENTS, IN ALL THAT WE SEE, IN EVERY DETAIL, IT COULD BE POSSIBLE TO FIND THE ERROR IN THE SYSTEM AND “HEAL IT” THROUGH THE CHANCE OF STRUCTURING. A SUBJECTIVE, INTUITIVE, SUBCONSCIOUS SCHEME, ONE WITHOUT ANY OTHER PRIMARY RATIONALITY THAN TO DEAL WITH THE UNFORESEEN AND THE BREAKING OF AN INTERNAL SYSTEM OF EXPECTATIONS AS A SURVIVAL STRATEGY.

IT IS A WORK IN PROGRESS WHICH ALEXANDRE COSTA NOW MOVES TO EVOLVE TO A NEW STADIUM, THAT OF THE EDITING OF THESE VIDEO IMAGES. THEREFORE, THE CREATION OF A NEW UNIT, ALTHOUGH NOT ONE WHERE THE DISPERSION AND DIVERSITY OF THE IMAGES STOPS UNDERLYING THE INTRINSIC RANDOMNESS OF THE PROCESS ITSELF, AND OF THE TRANSITIONAL ELEMENTS OF LIFE. A CONSTANT AND POTENTIALLY ENDLESS SEARCH, INTERRUPTED ONLY BY THE SUPREME MATERIAL REORGANIZATION: THE END OF THAT VERY LIFE.

IN THE END, WE ARE STANDING BEFORE AN EXERCISE WHICH APPROPRIATES THE EXTERNAL IN ORDER TO UNDERSTAND AND RESOLVE THE (ALTHOUGH INEVITABLE AND IRREVERSIBLE) IMPONDERABLE: THE IRREPARABLE INTERNAL ERROR.

 

GISELA LEAL

OCTOBER 2017

BIO

ALEXANDRE A. R. COSTA WAS BORN IN 1973 IN BRAGA, BUT HAS BEEN LIVING IN OPORTO, PORTUGAL, SINCE EVER. DOCTOR (PHD) IN FINE ART (CONTEMPORARY ART PRACTICE), UNIVERSITY OF VIGO, SPAIN (WITH A SCHOLARSHIP BY THE FCT – PORTUGUESE FOUNDATION FOR SCIENCE AND TECHNOLOGY). GRADUTED IN FINE ARTS – SCULPTURE, FBAUP, UNIVERSITY OF PORTO AND A POSTGRADUATE DIPLOMA / MASTER OF ARTS (ART EDUCATION IN SCULPTURE | SITE-SPECIFIC | NEW GENRE PUBLIC ART, SURREY-ROEHAMPTON UNIVERSITY, LONDON. SINCE 2002 HE IS TEACHING IN THE HIGHER EDUCATION SYSTEM (POLYTECHNICS AND UNIVERSITY) THAT GAVE HIM IN 2015 THE TITLE OF SPECIALIST, IN “FINE ARTS” AND “ARTS MANAGEMENT”. HE HAS BEEN WORKING ON VIDEO, PHOTOGRAPHY, DRAW, PERFORMANCE, INSTALLATION AND SCULPTURE SINCE THE LATE 90`S. HE HAD EXHIBITIONS IN PORTUGAL, FRANCE, SPAIN, U.S.A., CANADA, BRAZIL, GERMANY, U.K. AND OTHER COUNTRIES. HE IS ALSO A CURATOR OF SEVERAL EXHIBITIONS, CO-FOUNDER AND CO-RESPONSIBLE FOR THE PROGRAMME OF VISUAL AND PERFORMATIVE ARTS AT THE “ARTEMOSFERAS PROJECT” & THE ART CENTER “ESPAÇO ARTES MÚLTIPLAS I.A.C. PORTO” (2001-2003), CO-DIRECTOR OF “ATELIERS MOMPILHER – PORTO” (2011-2013), AND DIRECTOR OF “PROJECTO I.M.A.N. – ARTE CONTEMPORÂNEA” (2005-2011).

PROFESSIONAL ACTIVITY
VISUAL ARTIST, MUSICIAN, CURATOR AND A CULTURAL PROACTIVE AGENT.
FOUNDER MEMBER AND CO-RESPONSIBLE FOR THE ART PROGRAM ME OF PROJECTO PROGRAMÁTICO ARTEMOSFERAS AND THE ART CENTER ESPAÇO ARTES MÚLTIPLAS – I.A.C., PORTO (2001-2003).
DIRECTOR OF PROJECTO I.M.A.N. – CONTEMPORARY ART PRACTICES (2005-2011).
CO-DIRECTOR OF ATELIERS MOMPILHER, PORTO (2011-2013).
SINCE 2002 HE IS TEACHING IN THE HIGHER EDUCATION SYSTEM (POLYTECHNICS AND UNIVERSITARIE) WHERE HE EARNED (IN 2015) THE TITLE OF SPECIALIST, IN THE FIELDS OF “FINE ARTS” AND “ARTS MANAGEMENT”.
SINCE 2009: SCHOLARSHIP FOR DOCTORAL RESEARCH BY F.C.T. / DOCTORAL RESEARCHER AT “GRUPO DE INVESTIGACIÓN: MODO – MODOS DE CONOCIMIENTO ARTÍSTICO”, FACULTAD DE BELLAS ARTES, CAMPUS DE PONTEVEDRA, UNIVERSIDAD DE VIGO.

STUDIES
2016 – DOCTOR EN BELLAS ARTES (PHD IN FINE ARTS) FACULTAD DE BELLAS ARTES, UNIVERSIDAD DE VIGO. THESIS SUPERVISOR: PROFESSOR DOCTOR JAVIER TUDELA;
2015 – TITLE OF SPECIALIST, IN “FINE ARTS” AND “ARTS MANAGEMENT”, IPVC;
2005 – DIPLOMA OF ADVANCED STUDIES – DOCTORADO [D.E.A.] WITH THE PROJECT: “FLEXIBILIDADE E TRANSMUTAÇÃO DA ARTE… / FLEXIBILITY AND TRANSMUTATION OF CONTEMPORARY ART… “;
2004 – DOCTORAL PROGRAM AT FACULTAD DE BELLAS ARTES, UNIVERSIDAD DE VIGO;
2002-03 – POSTGRADUATE DIPLOMA [MASTER OF ARTS RESEARCH PROGRAMME] WITH AN INVESTIGATION ABOUT “SITE-SPECIFIC & PUBLIC ART PRACTICES – VISUAL ARTS AT HIGHER EDUCATION/FINE ARTS”, SURREY – ROEHAMPTON UNIVERSITY. LONDON;
1994-1999 – DEGREE IN FINE ARTS – SCULPTURE, FACULDADE DE BELAS ARTES, UNIVERSIDADE DO PORTO;
1991-1993- ART STUDIES AT ESCOLA CAMILO CASTELO BRANCO (VILA NOVA DE FAMALICÃO) AND ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS (PORTO).